Photoshop vs. Lightroom

Afinal, qual é o melhor?!?!?!?!

Calma, não é bem assim.
Photoshop e Lightroom se completam. Sim, ambos tem recursos para edição de imagens, mas usar um não significa que você não deva também usar o outro. A Adobe não faria um programa que fosse canibalizar o mercado do outro. Inclusive, eles são vendidos juntos no Plano de Fotografia da Creative Cloud.

Já me disseram que “o Lightroom é um Photoshop com recursos voltados para o fotografia“. Este simplificação me deixou com um pé atrás quanto à utilizar este programa. Para que eu precisaria aprender a mexer com o Lightroom, se já sei mexer no Photoshop? Não se deixe levar por uma afirmação destas, vale à pena aprender os dois.

Se você quer organizar seu catálogo, o Lightroom é o seu cara. Não dependa do visualizador de imagens do Windows ou do Mac OS.
Suponhamos que você queira levar seu computador para mostrar ao vivo seu portfólio para seu cliente. Mostrou uma série de fotos, até ai tudo bem. Mas então o cliente pede para você mostrar só as fotos relacionadas à casamento. E depois, dentre as fotos de casamento, as que você considera como sendo as melhores. Você teria que ficar mexendo em pastas, e escolhendo na hora as fotos na frente do cliente, não pega bem. Com o Lightroom, bastaria que você tivesse o hábito de colocar metadados nas suas imagens que tudo estaria resolvido. Seria só clicar na categoria casamento, depois escolher para mostrar as imagens que tivessem apenas mais de 4 estrelas (ou só as de 5).


Além do que, quando você faz edições nas imagens dentro do Lightroom, elas não são destrutivas. Ou seja, não afetam as imagens em si. No Lightroom criam-se os chamados Catálogos, que são arquivos onde ficam guardados os dados relativos às edições nas imagens. Vamos supor que você crie um catálogo chamado Futebol. Importa para lá as imagens que estão em alguma parte do seu disco. Então você edita a claridade, as cores, etc. As edições não ficam salvas nos arquivos (.jpg etc.), e sim no seu catálogo. A vantagem disso é que não ocupa tanto espaço quando ocuparia no Photoshop, no qual você tem que salvar as edições em um arquivo novo (ocupando mais espaço no disco), ou no mesmo arquivo (edição destrutiva, pois grava por cima as informações e você perde as informações anteriores).
Se quiser obter as imagens com as devidas alterações, para publicar, etc., basta exportar. E você não precisa exportar o catálogo inteiro. Se quiser, basta passar pela mesma seleção descrita anteriormente, e exportar só as melhores.

O Photoshop também não há de ser despresado. Ele pode fazer uma penca de coisas que o Lightroom não pode. Ele também é usado em outras áreas além da fotografia, como design gráfico, etc. Inclusive, você pode estar editando uma imagem no Lightroom, e vê que precisa aplicar nela um recurso que só tem no Photoshop. Pode-se escolher abri-la no Photoshop, fazer a edição e depois voltar a editar no Lightroom.

Bem, posso ter puxado um pouco minha sardinha pra o Lightroom, mas meu objetivo aqui é mostrar que ele não deve ser ignorado em virtude da versatilidade do Photoshop.