Author Archives: anjosarda

Winds of change

Como alguns já sabem…

Estou com um tumor, na base da coluna.

Minha vida está de ponta cabeça.
Voltei de São Paulo para Niterói, terminei com minha ex-namorada, e senti mais dores do que acreditava ser humanamente possível se sentir.
Numa escala de 0 à 10, onde zero é dor nenhuma e dez é significa desistir de viver, cheguei à 9. E permaneci em 9 por mais tempo que gostaria de lembrar.
Muitas pessoas temem a morte. Isto porque não sabem o que é dor de verdade. A morte é um consolo.
Sabe aquela dor de dar uma puta topada com o dedinho na quina do móvel? Pois é, eu gosto deste tipo de dor. Porque é o tipo de dor que dói para caramba, mas você sabe que aguentando ela vai passar.
A dor que senti, vem forte, e permanece forte. A noite inteira. E o dia seguinte também.

O tumor é benígno, e operável. Mas tem seu lado malígno, que é comprimir os nervos.

Continue reading

Jared Leto: seria o pior Coringa?

Sim, é verdade. Mas a questão é que o coringa de Jared não foi feito para roubar a cena. A ideia era ele dar suporte à personagem Harley Quinn, o que, na minha opinião, fez muito bem. Se você quer fazer parte do efeito manada e reclamar do coringa de Jaret, fique à vontade, mas isto já está mais clichê que comparar o Maracanã ao circo de Roma na redação.

Na foto, eu, em 2008.

Tudo esclarecido, só resta uma dúvida: quem é mais atraente, a Harley Quinn de
Margot Robbie, ou a Mulher-Gato de Michelle Pfeiffer? 😛

Fiquem com trailer do próximo filme da doidinha nº1.

Descomplica

É um cursinho online. Você paga uma mensalidade bem mais baixa que de um curso presencial, e tem acesso ao conteúdo.
Existem diversos planos, de valores distintos. Mas mesmo os planos mais em conta não deixam a desejar. Afinal, se você está tentanto passar para um curso mais modesto, não precisa se inscrever no intensivo voltado para medicina.

Eu recomendo darem uma change. Para matérias como história, geografia, e as que mais são dadas como aulas expositivas, é super prático. Ao invés de você ter que perder um tempão se deslocando para o cursinho, assistindo uns 45 minutos de aula e voltando para casa, use este tempo para assistir de uma vez só várias aulas.

Para matemática, física, química, eu entendo se ainda preferirem aulas presenciais. Tem lá suas vangens ter o atendimento de um ser humano ao vivo.

Você pode ainda usar o Descomplica como complemento.

Não estou recebendo nada para fazer propaganda, nem são amigos meus.
Só que me foi útil, e quis propagar a ideia.

https://descomplica.com.br

 

P.S.:

Apple; cabo Lightning x SD

Comprei este cabo para passar as fotos do cartão para o iPad. Funciona para passar para o iPhone também, mas acho melhor para o iPad mesmo.
Funciona mesmo com as fotos em RAW.

Não seria para substituir o uso do computador, mas para dar uma adiantada em algumas fotos e deixar o pessoal feliz. Afinal, os clientes querem as fotos para ontem. O que pode ser feito, é dar uma editada básica em umas 2 ou 3 fotos, e passar como uma prévia do trabalho.
*Muito cuidado: na hora que você importa as fotos para o iPad/iPhone, ele pergunta se você quer apagar as fotos do cartão. NÃO queremos isto. O ideal é passar as fotos para o computador depois, para editar no seu software de preferência lá. Os programas do computador são mais completos que os editores para mobile.

Falo para casos como os que eu já passei: fui fotografar a apresentação de uma banda de uns amigos meus, depois do show fomos para a casa de um deles. Eles ficaram me cobrando as fotos, que eu passasse algumas sem editar. Eu, é claro, não quis passar fotos sem editar. Eles reclamaram. Se eu tivesse este esquema na época, poderia ter passado para o iPad as fotos, dado uma edição básica no Lightroom Mobile, e passado para eles algumas fotos para irem ao Facebook e Instagram no mesmo dia que foi feita a apresentação. Depois, publicado o álbum com todas as fotos que quisesse publicar.

Você pode comprar o cabo em uma das lojas da Apple, ou pelo site. Se pagar à vista tem 10% de desconto. Não, não estou ganhando nada por fazer propaganda.

Photoshop vs. Lightroom

Afinal, qual é o melhor?!?!?!?!

Calma, não é bem assim.
Photoshop e Lightroom se completam. Sim, ambos tem recursos para edição de imagens, mas usar um não significa que você não deva também usar o outro. A Adobe não faria um programa que fosse canibalizar o mercado do outro. Inclusive, eles são vendidos juntos no Plano de Fotografia da Creative Cloud.

Já me disseram que “o Lightroom é um Photoshop com recursos voltados para o fotografia“. Este simplificação me deixou com um pé atrás quanto à utilizar este programa. Para que eu precisaria aprender a mexer com o Lightroom, se já sei mexer no Photoshop? Não se deixe levar por uma afirmação destas, vale à pena aprender os dois.

Se você quer organizar seu catálogo, o Lightroom é o seu cara. Não dependa do visualizador de imagens do Windows ou do Mac OS.
Suponhamos que você queira levar seu computador para mostrar ao vivo seu portfólio para seu cliente. Mostrou uma série de fotos, até ai tudo bem. Mas então o cliente pede para você mostrar só as fotos relacionadas à casamento. E depois, dentre as fotos de casamento, as que você considera como sendo as melhores. Você teria que ficar mexendo em pastas, e escolhendo na hora as fotos na frente do cliente, não pega bem. Com o Lightroom, bastaria que você tivesse o hábito de colocar metadados nas suas imagens que tudo estaria resolvido. Seria só clicar na categoria casamento, depois escolher para mostrar as imagens que tivessem apenas mais de 4 estrelas (ou só as de 5).


Além do que, quando você faz edições nas imagens dentro do Lightroom, elas não são destrutivas. Ou seja, não afetam as imagens em si. No Lightroom criam-se os chamados Catálogos, que são arquivos onde ficam guardados os dados relativos às edições nas imagens. Vamos supor que você crie um catálogo chamado Futebol. Importa para lá as imagens que estão em alguma parte do seu disco. Então você edita a claridade, as cores, etc. As edições não ficam salvas nos arquivos (.jpg etc.), e sim no seu catálogo. A vantagem disso é que não ocupa tanto espaço quando ocuparia no Photoshop, no qual você tem que salvar as edições em um arquivo novo (ocupando mais espaço no disco), ou no mesmo arquivo (edição destrutiva, pois grava por cima as informações e você perde as informações anteriores).
Se quiser obter as imagens com as devidas alterações, para publicar, etc., basta exportar. E você não precisa exportar o catálogo inteiro. Se quiser, basta passar pela mesma seleção descrita anteriormente, e exportar só as melhores.

O Photoshop também não há de ser despresado. Ele pode fazer uma penca de coisas que o Lightroom não pode. Ele também é usado em outras áreas além da fotografia, como design gráfico, etc. Inclusive, você pode estar editando uma imagem no Lightroom, e vê que precisa aplicar nela um recurso que só tem no Photoshop. Pode-se escolher abri-la no Photoshop, fazer a edição e depois voltar a editar no Lightroom.

Bem, posso ter puxado um pouco minha sardinha pra o Lightroom, mas meu objetivo aqui é mostrar que ele não deve ser ignorado em virtude da versatilidade do Photoshop.