Monthly Archives: August 2017

Gyotaku

É uma técnica japonesa milenar de imprimir as formas dos peixes em papel. Foi citado pela minha professora durante a aula, e como teríamos de pensar em imagens para utilizar nos processos históricos, eu e a Fernanda Kraemer resolvemos nos aventurar nas gravuras dos peixes.

Foi decidido que usaríamos nankin e papéis com uma gramatura não muito elevada.

Compramos nankin numa papelaria, e já tinhamos os pinceis e papéis.
Viajamos de SP para Niterói-RJ, onde fica a casa da minha família.
Compramos uma tilápia na peixaria do supermercado.

Em casa, na bancada, usamos uma forma para não haver o risco de sujar tudo ao redor de tinta. Fernanda secou bastante o peixe com papel toalha, e depois aplicou a tinta.
É bom que os peixe não tenha tido suas entranhas removidas, para não perder o volume, e que não tenha sido descamado, pois as escamas são o que mais nos interessa para dar a forma.

Chegada a hora do papel, os resultados não estavam saindo como esperávamos.
Mas descobrimos que foi porque estávamos fazendo o contato do papel com toda a superfície do peixe voltada para cima. Basicamente, o mesmo problema que os cartógrafos encontram ao representar num plano a superfície do planeta.
A solução foi pressionar o papel apenas na área mais preeminente do peixe.
Aqui está um vídeo do processo, antes de termos aperfeiçoado a questão da curvatura do peixe.
Ah! Tentamos com uns papéis de menor gramatura, mas o que melhor nos serviu foi o sulfite (sim, este comum para impressora).

Se gostaram da ideia e resolverem fazer também, fica aí minha dica: